OBJETIVO DO JORNAL
A função social deste jornal é analisar criticamente fatos nacionais e internacionais por uma ótica marxista-leninista.
BLOGUISTAS
• OPERÁRIO SINDICALIZADO
• SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL
• AMBIENTALISTA DE PURO CORAÇÃO
• RAPPER FEMINISTA
• PRESIDENTE DE DIRETÓRIO ACADÊMICO
• CORRESPONDENTE ATEU
• MANIFESTANTE ANTI-E.E.U.U.
 FONTES PROLETÁRIAS
 REVOLUCIONÁRIAS
 AGÊNCIAS
 POPULARES DE NOTÍCIAS
 ORGANIZAÇÕES
 POPULARES DEMOCRÁTICAS
 CAMARADAS FAMOSOS
 SITES AMBIENTAIS
 POPULARES DEMOCRÁTICOS
ARQUIVO REVOLUCIONÁRIO
CONTRIBUIÇÕES RECENTES
segunda-feira, maio 22, 2006
O Brasil, uma grande estufa
Servidor Público Federal

De tudo o que o neoliberal do século XIX Bastiat disse, apenas uma coisa se aproveita (sem que ele queira que seja aproveitada, diga-se): o governo deve arrumar uma forma de tapar o sol. Não apenas para desenvolver a indústria nacional de iluminação, mas para a efetivação de muitos ideais comunistas.

Para tapar o sol, o governo deve fazer uma grande estufa fumê cercando todo o território brasileiro. Essa estufa haveria de ser climatizada, para que todos os brasileiros compartilhem da mesma temperatura, sem desigualdade térmica – um dos grandes vilões da humanidade. Ninguém ficaria resfriado por viajar do Nordeste à Serra Gaúcha. Estaria garantido de fato o direito de ir e vir sem prejuízo algum ao cidadão brasileiro.

Fora a indústria de iluminação nacional, que ficaria protegida de qualquer concorrência, mesmo da do sol. Não podemos nos cegar quanto a isso: o sol, fornecendo luz gratuitamente, impede o desenvolvimento pleno da nossa indústria de lâmpadas, trava o nosso desenvolvimento, atravanca nosso progresso.

Outra vantagem, dentre as inumeráveis dessa estufa, é a distribuição das chuvas. Não haveria mais concentração da chuva, fator importante para o desenvolvimento social, o que permitiria ao sertão desenvolver-se igualmente ao Sudeste. Ainda seria possível distribuir mais chuva para as áreas mais necessitadas. Por exemplo: boa parte da chuva estaria destinada obrigatoriamente ao sertão, historicamente prejudicado pela distribuição pluviométrica desigual e injusta em nosso país.

O camarada leitor deve estar em dúvida quanto ao modo de captação da água da chuva para distribuição. Explico. Sobre a estufa ficará um imenso reservatório – do tamanho da estufa, ou seja, do tamanho do Brasil. A estufa será porosa e haverá uma grande rede de encanamento para distribuir de forma justa toda a água armazenada.

Ainda passaria à mão do povo o domínio dos meios de controle meteorológico, idéia muito condizente com a do camarada Presidente do Diretório Acadêmico, que pretende paralisar as universidades federais para pôr o controle dos meios de previsão meteorológica nas mãos do povo.

Sugiro mais que isso, se me permite o camarada. Sugiro uma greve geral – INSS, universidades federais, justiça, ANVISA – , TODOS paralisados num movimento inédito: “ESTUFA JÁ!”.
Contribuição para a causa às 08:28

Ou dê sua contribuição democrática através do Livro de Rostos:

Postar um comentário