OBJETIVO DO JORNAL
A função social deste jornal é analisar criticamente fatos nacionais e internacionais por uma ótica marxista-leninista.
BLOGUISTAS
• OPERÁRIO SINDICALIZADO
• SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL
• AMBIENTALISTA DE PURO CORAÇÃO
• RAPPER FEMINISTA
• PRESIDENTE DE DIRETÓRIO ACADÊMICO
• CORRESPONDENTE ATEU
• MANIFESTANTE ANTI-E.E.U.U.
 FONTES PROLETÁRIAS
 REVOLUCIONÁRIAS
 AGÊNCIAS
 POPULARES DE NOTÍCIAS
 ORGANIZAÇÕES
 POPULARES DEMOCRÁTICAS
 CAMARADAS FAMOSOS
 SITES AMBIENTAIS
 POPULARES DEMOCRÁTICOS
ARQUIVO REVOLUCIONÁRIO
CONTRIBUIÇÕES RECENTES
quinta-feira, setembro 28, 2006
As Redes de TV e Rádio Pertencem ao Povo
Operário Sindicalizado

Redes de TV e rádio devem cumprir sua função social, porque essa é a única razão de existirem, para servir ao povo. Assim, é necessário que o Estado assegure que as redes de TV e rádio cumpram sua função social através de um sistema de concessões de canais. Caso as redes de TV e rádio não cumpram as funções sociais imanentes às suas próprias existências, o Estado (povo) tem o direito de cassar suas concessões.

Esse sistema de concessões estatais (populares e democráticas) não funciona pelo fato de que os capitalistas gananciosos neoliberais fazem uso dele em proveito próprio, via lobby. Esses exploradores do proletariado usam de favorecimento político para conseguir canais de TV e rádio.

Pode-se concluir, portanto, que o Estado deve ser o único provedor de concessões de TVs e rádios.

Em resumo:
(1) O sistema de concessões que vigora no Brasil e em outros países é justo porque o povo é o Estado e o Estado disse que o povo é o dono do espectro de canais de TV e rádio;
(2) O sistema de concessões não funciona porque certos grupos recebem canais de TV e rádio por favorecimento político;
(3) Portanto, o sistema de concessões é justo e necessário.
A outra conclusão que segue é que o povo (Estado) deve nacionalizar (entregar ao controle social) todos os meios de produção.
Contribuição para a causa às 19:50

Ou dê sua contribuição democrática através do Livro de Rostos:

Postar um comentário