OBJETIVO DO JORNAL
A função social deste jornal é analisar criticamente fatos nacionais e internacionais por uma ótica marxista-leninista.
BLOGUISTAS
• OPERÁRIO SINDICALIZADO
• SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL
• AMBIENTALISTA DE PURO CORAÇÃO
• RAPPER FEMINISTA
• PRESIDENTE DE DIRETÓRIO ACADÊMICO
• CORRESPONDENTE ATEU
• MANIFESTANTE ANTI-E.E.U.U.
 FONTES PROLETÁRIAS
 REVOLUCIONÁRIAS
 AGÊNCIAS
 POPULARES DE NOTÍCIAS
 ORGANIZAÇÕES
 POPULARES DEMOCRÁTICAS
 CAMARADAS FAMOSOS
 SITES AMBIENTAIS
 POPULARES DEMOCRÁTICOS
ARQUIVO REVOLUCIONÁRIO
CONTRIBUIÇÕES RECENTES
sexta-feira, setembro 29, 2006
A Canção do Exílio
Rapper Feminista

Camaradas, é de extrema importância a revisão e modificação completa de nossa poesia e litertura clássica, visto que algumas publicações carregam preconceitos e, especialmente, graves exclusões sociais e partidárias. Abaixo, segue a versão de Gonçalves Dias com meus comentários entre parênteses abaixo de cada verso controverso.

Minha terra tem palmeiras,
(Eis um exemplo clássico do egoísmo neoliberal)
Onde canta o Sabiá;
(Monopólio musical animal)
As aves que aqui gorjeiam,
(O autor mostra que existem pequenos concorrentes)
Não gorjeiam como lá.
(A qualidade musical do sabiá que monopoliza o mercado musical é superior ao dos outros países, tratando-se claramente de uma multinacional sufocante e imoral. Eis a monstruosidade da globalização.)

Nosso céu tem mais estrelas,
(Preconceito com céus pouco estrelados.)
Nossas várzeas têm mais flores,
(Preconceito com várzeas pouco floridas.)
Nossos bosques têm mais vida,
(Preconceito com bosques mortos.)
Nossa vida, mais amores.
(Preconceito com vidas sem amores. Estrofe absurda!)

Em cismar sozinho à noite,
(Representação da vida vazia e sem sentido dos capitalistas)
Mais prazer eu encontro lá;
(Sem nunca esquecer de agregar valor ao que é seu)
Minha terra tem palmeiras,
(Mais uma vez: um exemplo clássico do egoísmo neoliberal)
Onde canta o Sabiá.
(Monopólio musical sabial)

Minha terra tem primores,
(Só a dele, camaradas, só a dele!)
Que tais não encontro eu cá;
(Claro que não! Tais primores encontram-se apenas na sua propriedade, seu porco!)
Em cismar sozinho à noite,
(Representação da vida vazia e sem sentido dos capitalistas)
Mais prazer eu encontro lá;
(Ele é mais feliz sozinho em sua propriedade do que na companhia de outros camaradas)
Minha terra tem palmeiras,
(Novamente, um exemplo clássico do egoísmo neoliberal)
Onde canta o Sabiá.
(O sabiá reina sozinho, claro. Quer tudo isso com fritas?)

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

(Vocês já entenderam o que tudo isso quer dizer)

Vocês estão surpresos com todas essas revelações, creio eu. Todos sempre viram tal poesia ser reverenciada e a liam com os inocentes olhos de quem não percebe a malícia capitalista nas entrelinhas da canção. Mas, de que adianta expor esses absurdos e não propor uma solução? Pois me adiantei e já reescrevi toda a Canção do Exílio, que, em sua nova versão, chama-se Canção do Auxílio, pois devemos sempre pensar em ajudar o camarada próximo.

Nossa terra
tem variadas espécies de árvores,
Onde cantam variadas espécies de aves
As aves que lá gorjeiam,
Gorjeiam como as aves de qualquer lugar.

Nosso céu tem tantas estrelas quanto em qualquer lugar.

Nossas várzeas têm tantas flores quanto em qualquer lugar,
Nossos bosques são tão vivos quanto são os de qualquer lugar,
Nossa vida, tem tantos amores quanto tantos amores qualquer lugar possa ter.

Em cismar com meus camaradas a qualquer momento do dia,
Encontro prazer tanto aqui quanto lá;
Nossa terra tem variadas espécies de árvores,
Onde cantam variadas espécies de aves.

Nossa terra tem primores,
Encontrados em todo lugar;
Em cismar com meus camaradas a qualquer momento do dia
Encontro prazer tanto aqui quanto lá;
Nossa terra tem variadas espécies de árvores,
Onde cantam variadas espécies de aves.

Não permita o povo que morramos,
Sem que voltemos juntos para lá;
Sem que desfrutemos igualitariamente os primores
Encontrados em todo lugar;
Sem qu'inda aviste as diferentes árvores,
Onde cantam variadas espécies de aves.


E eu não me preocupo com métrica e rima, pois a única preocupação justa que devemos ter é com o povo.
Contribuição para a causa às 21:27

Ou dê sua contribuição democrática através do Livro de Rostos:
Anonymous Anônimo, ÀS 14:08 DISSE: 
isso dai tinha que rimar mais
Anonymous Anônimo, ÀS 15:07 DISSE: 
amei a mensagem que aqui exilio faou como um touxa popular... kkkkkk
Anonymous Anônimo, ÀS 15:11 DISSE: 
toda porcaria o povo chama de rima, mas na verdade isso ta uma verdadeira porcaria... rima é isso.... transar é arte gozar faz parte... CAPITÔ?
Anonymous Anônimo, ÀS 15:23 DISSE: 
verdadeira porcaria... rima é isso.... transar é arte gozar faz parte... CAPITÔ?
Blogger anonimo, ÀS 22:20 DISSE: 
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário