OBJETIVO DO JORNAL
A função social deste jornal é analisar criticamente fatos nacionais e internacionais por uma ótica marxista-leninista.
BLOGUISTAS
• OPERÁRIO SINDICALIZADO
• SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL
• AMBIENTALISTA DE PURO CORAÇÃO
• RAPPER FEMINISTA
• PRESIDENTE DE DIRETÓRIO ACADÊMICO
• CORRESPONDENTE ATEU
• MANIFESTANTE ANTI-E.E.U.U.
 FONTES PROLETÁRIAS
 REVOLUCIONÁRIAS
 AGÊNCIAS
 POPULARES DE NOTÍCIAS
 ORGANIZAÇÕES
 POPULARES DEMOCRÁTICAS
 CAMARADAS FAMOSOS
 SITES AMBIENTAIS
 POPULARES DEMOCRÁTICOS
ARQUIVO REVOLUCIONÁRIO
CONTRIBUIÇÕES RECENTES
quarta-feira, novembro 29, 2006
Contra o desperdício alfabético burguês e mantenedor do status quo
Servidor Público Federal

Todos sabem que o desperdício burguês é o único culpado pela fome no mundo. Se todos os grãos fossem comidos, cada um dos pés de alface aproveitados, não averia nenhum faminto sobre a face da Terra.

Por isso, para combater a fome, proponho que paremos de utilizar a letra “h” quando ela não tem som. Alguns, eu sei, defenderão cotas para h na língua, pois ela é portadora de deficiência vocal, mas temos que pensar na maioria, no povo, e o h é letra de elite – basta ver que quase nunca é usada.

Pois bem, voltando à minha argumentação: se assim que destruirmos o “h” sem som todos terão o que comer, é natural que, quando destruirmos os grãos, todos tornem-se automaticamente alfabetizados, de modo que, se destruirmos tudo, em absoluto, todos terão tudo. Basta saber por onde começar. Eu proponho começarmos pelo “h”.


Pós-escrito: Espero que este poste não cause discordâncias, pois a esquerda deve se manter unida.
Contribuição para a causa às 20:38

Ou dê sua contribuição democrática através do Livro de Rostos:

Postar um comentário