OBJETIVO DO JORNAL
A função social deste jornal é analisar criticamente fatos nacionais e internacionais por uma ótica marxista-leninista.
BLOGUISTAS
• OPERÁRIO SINDICALIZADO
• SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL
• AMBIENTALISTA DE PURO CORAÇÃO
• RAPPER FEMINISTA
• PRESIDENTE DE DIRETÓRIO ACADÊMICO
• CORRESPONDENTE ATEU
• MANIFESTANTE ANTI-E.E.U.U.
 FONTES PROLETÁRIAS
 REVOLUCIONÁRIAS
 AGÊNCIAS
 POPULARES DE NOTÍCIAS
 ORGANIZAÇÕES
 POPULARES DEMOCRÁTICAS
 CAMARADAS FAMOSOS
 SITES AMBIENTAIS
 POPULARES DEMOCRÁTICOS
ARQUIVO REVOLUCIONÁRIO
CONTRIBUIÇÕES RECENTES
domingo, fevereiro 04, 2007
Estatização imediata dos setores estratégicos da economia
Servidor Público Federal

Não há no mundo pessoa de bom senso que não defenda que os setores estratégicos devem ser geridos pela força estatal - ou seja, pelo povo. Apenas se incorre em erros ao classificar como não estratégicos alguns setores. A Petrobrás tem (justamente) o monopólio do petróleo no Brasil. De fato o setor energético é estratégico, mas há outro muito mais importante para a sobrevivência da nação em caso de uma conspiração internacional: o setor alimentício.

O Povo é capaz de subsistir sem energia, mas é impossível para Ele sobreviver sem alimentos. O maior problema que enfrentaremos para a estatização do setor alimentício está no congresso. Além do fato de absolutamente todos os nossos deputados serem neoliberais de extrema-direita (fascistas, inclusive), eles ainda são os proprietários (ou seja, eles usurparam do Povo) das terras produtivas para benefício próprio.

A estatização imediata das terras do Povo brasileiro acabará de imediato com dois problemas: o dos sem-terra e o da fome. O primeiro problema é óbvio, mas o segundo, creio (enquanto Povo) que merece uma explicação mais detalhada. Para isso serão usados os seguintes argumentos:

1. O Estado é sempre mais eficiente e justo que o mercado;
2. O Estado não é excludente como o mercado;
3. O Estado é mais representativo que o mercado.

Na verdade, esses três tópicos não são exatamente "argumentos", mas premissas lógicas irrefutáveis e como tal serão tratadas no curso desta argumentação:

Primeiro, se o Estado é sempre mais eficiente e justo que o mercado (e ele é!), o Estadoé mais eficiente e justo que o mercado no setor alimentício.

Segundo, se o Estado não é excludente como o mercado (e não é!), o Estado não exclui ninguém do acesso aos bens alimentícios.

Terceiro, se o Estado é mais representativo que o mercado (e é!), o Estado representa melhor a população enquanto administrador dos bens divididos coletivamente pelo Povo.

Naturalmente, aceitar isso como verdade é um exercício lógico complexo e restrito às mentes mais iluminadas, como as mentes do Povo, e é por isso que os burgueses e conservadores e neoliberais (que são, de fato, um único grupo) são incapazes de compreender a vantagem de se ter uma gerência estatal sobre tudo, regulamentando nossas vidas (e a deles). Por isso é necessário explicar a todos eles (da classe burguesa e cia), à força, se necessário, que o Estado (quando gerido por forças populares, e não por burgueses, como ocorre atualmente em nossa falsa democracia) não falha jamais.
Contribuição para a causa às 17:02

Ou dê sua contribuição democrática através do Livro de Rostos:

Postar um comentário