OBJETIVO DO JORNAL
A função social deste jornal é analisar criticamente fatos nacionais e internacionais por uma ótica marxista-leninista.
BLOGUISTAS
• OPERÁRIO SINDICALIZADO
• SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL
• AMBIENTALISTA DE PURO CORAÇÃO
• RAPPER FEMINISTA
• PRESIDENTE DE DIRETÓRIO ACADÊMICO
• CORRESPONDENTE ATEU
• MANIFESTANTE ANTI-E.E.U.U.
 FONTES PROLETÁRIAS
 REVOLUCIONÁRIAS
 AGÊNCIAS
 POPULARES DE NOTÍCIAS
 ORGANIZAÇÕES
 POPULARES DEMOCRÁTICAS
 CAMARADAS FAMOSOS
 SITES AMBIENTAIS
 POPULARES DEMOCRÁTICOS
ARQUIVO REVOLUCIONÁRIO
CONTRIBUIÇÕES RECENTES
sexta-feira, março 30, 2007
Contra a Música “””””””“Popular”””””””” Brasileira (com muitas, muitas aspas)
Servidor Público Federal

Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Betânia, Elis Regina, Nara Leão, todos os cantores da assim chamada MPB não passam de fraudes. Utilizam-se indevidamente da denominação “Popular” para enriquecer.

Como os leitores, membros do povo, sabem, qualquer coisa que enriquece é fruto da exploração vil da mais-valia. Para ingressar em seu último “espetáculo”, Chico Buarque está cobrando. E caro: oitenta reais pela meia-entrada.

Particularmente (mas não privativamente. Utilizo aqui um conceito pós-moderno de “particular” que engloba toda a percepção popular e pública. É um sinônimo para publicamente, nessa acepção, assim como todas as outras palavras querem dizer a mesma coisa – “povo” ou “relativo a povo” – nessa interpretação popular), sou, enquanto povo, contra as meias-entradas. Apenas burguesinhos aceitam essa esmola ridícula dos exploradores capitalistas. A existência de meia-entrada significa que cobram-se entradas, e é difícil acreditar que alguém não tenha notado isso. Cobrança de entradas é restringir a liberdade do povo. A de ir e vir, em especial (não que haja alguma liberdade especial. Para nós, verdadeiros comunistas revolucionários, todas as liberdades são igualmente importantes).

Como dizia, antes de expor essa importante nota sobre liberdade, a assim chamada MPB deve passar a se chamar apenas MB ou MBB, Música Burguesa do Brasil. Em primeiro lugar porque não deve haver uma música popular de um país: Marx era a favor de um comunismo global, não local. “Música Popular Brasileira” é, portanto, uma contradição em termos – ou é popular, do povo, comunista, ou é brasileira, da burguesia, egoísta.

Outro motivo para recusarmos o nome de “Música Popular” para esse tipo de escória de burguesia, lambe-botas dos exploradores, é que o POVO, de fato, não gosta desse tipo de música – nem mesmo o “povo brasileiro”, se fosse possível fazer essa restrição sem cair em contradição.

Para assumir o título de “MP”, música popular, ou MPU, Música Popular Universal, sugiro a Internacional. Qualquer um que se oponha será considerado burguês e condenado, depois de julgamento justo e honesto, à pena capital.
Contribuição para a causa às 21:53

Ou dê sua contribuição democrática através do Livro de Rostos:

Postar um comentário